Desaparecido em outubro passado, aos 90 anos, não foi só um dos mais populares atores do último meio século, foi também um ator que conservou essa popularidade durante muito mais tempo do que é habitual, continuando, bem para lá dos 60 anos, a ser cabeça de cartaz em diversos filmes de grande impacto. Claro que a sua encarnação de James Bond, o agente secreto criado por Ian Fleming, é um marco – para a carreira de Connery, e para a carreira cinematográfica de 007, que depois passou por diversos atores sobre quem a sombra de Connery, o “original”, nunca deixou de pesar. Mas não se pode resumir a 007 a carreira deste ator que, como tantos oriundos das ilhas britânicas (Connery era escocês, de ascendência irlandesa) começou no teatro, e teve alguns papéis em cinema, em filmes não especialmente relevantes, a partir do final dos anos cinquenta. Foi no princípio dos anos sessenta, quando foi o escolhido para a primeira adaptação cinematográfica das aventuras de James Bond (“Bond… James Bond”: nenhum outro ator disse estas palavras com o mesmo “aplomb” nem, sobretudo, com o mesmo sotaque escocês), que tudo mudou para ele. Mas Connery não era alguém para ficar satisfeito com a fama instantânea nem com o “seguro de vida” que era o seu sucesso como Bond. Imediatamente, e em paralelo com a sua vida como 007, tratou de diversificar o seu trabalho, o que o conduziu a Hitchcock (MARNIE) ou a Sidney Lumet (THE HILL), realizador com quem, de resto, colaboraria depois variadas vezes. Esteve nalguns singularíssimos filmes, ingleses e americanos, dos anos setenta e oitenta, mas, depois de deixar definitivamente a saga de Bond, seria no final da década de oitenta que, com a boleia do Oscar por THE UNTOUCHABLES, a sua carreira ganharia um surpreendente – por ser raro tal acontecer a atores à beira de dobrarem o cabo dos 60 anos – segundo fôlego. Connery foi um ator da primeira linha do cinema americano durante toda a década de noventa, esteve nalguns dos melhores e mais populares filmes do período (é de destacar a sua colaboração com John McTiernan em HUNT FOR RED OCTOBER e MEDICINE MAN) e só no século XXI, depois de FINDING FORRESTER (filme de 2000 assinado por Gus van Sant, talvez o último título relevante da vasta filmografia de Connery), abrandaria o ritmo rumo a uma progressiva e nada dramática despedida. Evocamo-lo neste programa “in memoriam”, com destaque para alguns desses filmes semi-esquecidos em que Connery participou, como ROBIN AND MARIAN, THE WIND AND THE LION ou THE OFFENCE.


Segunda-feira [04] 15:00 | Sala M. Félix Ribeiro
Terça-feira [12] 17:30 | Sala M. Félix Ribeiro

DIAMONDS ARE FOREVER

Os Diamantes São Eternos
de Guy Hamilton
com Sean Connery, Jill St. John, Charles Gray, Lana Wood, Jimmy Dean, Bruce Cabot, Bernard Lee, Lois Maxwell
Reino Unido, 1971 – 119 min / legendado eletronicamente em português | M/12

O relativo fracasso de George Lazenby como 007 em ON HER MAJESTY’S SECRET SERVICE, levou os produtores a convencerem, a troco de um salário a peso de ouro, o relutante Sean Connery a voltar a vestir a pele de Bond. É o que faz nesta aventura em Las Vegas, mais em ritmo de “serial” do que de thriller de espionagem.


Segunda-feira [04] 17:30 | Sala M. Félix Ribeiro
Quarta-feira [06] 15:00 | Sala M. Félix Ribeiro

THE OFFENCE

O Delito
de Sidney Lumet
com Sean Connery, Trevor Howard, Ian Bannen,Vivien Merchant
Reino Unido, 1973 – 112 min / legendado eletronicamente em português | M/16

Sidney Lumet era um dos realizadores de quem Sean Connery mais gostava. Depois de já ter trabalhado com ele em THE HILL e THE ANDERSON TAPES, foi dele que se lembrou para dirigir uma adaptação de uma peça teatral de John Hopkins, que era um projeto pessoal de Connery. É um filme psicologicamente denso, que oferece a Connery uma faceta que os 007s não permitiam, e que o põe na pele de um detetive que usa violência desmedida no interrogatório de um suspeito de molestar crianças, e acaba por o matar. Primeira apresentação na Cinemateca.


Terça-feira [05] 15:00 | Sala M. Félix Ribeiro
Quinta-feira [07] 17:30 | Sala M. Félix Ribeiro

ROBIN AND MARIAN

A Flecha e a Rosa
de Richard Lester
com Sean Connery, Audrey Hepburn, Nicol Williamson, Denholm Elliott
Estados Unidos, Reino Unido, 1976 – 106 min / legendado eletronicamente em português | M/12

Richard Lester, que já tinha filmado as aventuras dos Três Mosqueteiros, atira-se em ROBIN AND MARIAN ao universo do Robin dos Bosques. Com a original premissa de tudo se passar num tempo posterior às aventuras mais conhecidas das personagens, e todos estarem, portanto, mais velhos. É assim que Sean Connery pode ser Robin, e Audrey Hepburn Marian, esta pondo fim a um interregno de uma meia dúzia de anos sem qualquer trabalho em cinema. Um filme a redescobrir, de um cineasta, Lester, sempre imprevisível.  A exibir em cópia digital. Primeira apresentação na Cinemateca.


Terça-feira [05] 17:30 | Sala M. Félix Ribeiro

ZARDOZ

Zardoz
de John Boorman
com Sean Connery, Charlotte Rampling, Sara Kestelman
Reino Unido, 1974 – 105 min / legendado eletronicamente em português | M/12

Um dos mais singulares projetos de John Boorman que, misturando um universo de fantasia com um comentário “ecológico”, tinha aqui um precursor de EXCALIBUR ou EMERALD FOREST. “Zardoz” é o nome de um deus venerado por uma comunidade dum mundo pós-apocalíptico, onde uma rígida estratificação social protege uma casta de privilegiados. Connery é a personagem que não aceita este estado de coisas, e parte numa demanda para o mudar. ZARDOZ foi um fiasco na altura da estreia, mas entretanto foi-se tornando objeto de algum culto. A indumentária envergada por Connery talvez tenha algo que ver com isso. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 1985. A exibir em cópia digital.


Quinta-feira [07] 15:00 | Sala M. Félix Ribeiro
Sábado [16] 15:00 | Sala M. Félix Ribeiro

THE ANDERSON TAPES

O Dossier Anderson
de Sidney Lumet
com Sean Connery, Dyan Cannon, Martin Balsam
Estados Unidos, 1971 – 95 min / legendado eletronicamente em português | M/12

Um dos melhores filmes da parceria, várias vezes repetida, entre Sidney Lumet e Sean Connery. Rodado nas ruas de Nova Iorque, como outros dos mais célebres filmes de Lumet durante os anos setenta (SERPICO ou DOG DAY AFTERNOON), põe Connery na pele de um ladrão sofisticado, e numa intriga que lida, num tempo em que isso ainda era raro, com os modernos e tecnológicos mecanismos de vigilância. A exibir em cópia digital. Primeira apresentação na Cinemateca.


Quarta-feira [06] 17:30 | Sala M. Félix Ribeiro

FINDING FORRESTER

Descobrir Forrester
de Gus Van Sant
com Sean Connery, Rob Brown, F. Murray Abraham, Anna Paquin
Estados Unidos, 2000 – 136 min / legendado em português | M/12

A história do encontro e da relação entre dois homens, um escritor famoso e recluso (Connery) e um jovem universitário negro (Rob Brown) com problemas de integração. A relação vai levar cada um deles a vencer os seus problemas, um a reencontrar a sociedade e o outro a vencer os preconceitos e perseguir o seu sonho: tornar-se escritor. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 2009.


Sexta-feira [08] 20:00 | Sala M. Félix Ribeiro

MARNIE

Marnie
de Alfred Hitchcock
com Sean Connery, Tippi Hedren, Diane Baker
Estados Unidos, 1964 – 129 min / legendado em português | M/12

Pensado para o possível regresso de Grace Kelly ao cinema, MARNIE é o último filme de Hitchcock com a “loira de gelo”, Tippi Hedren, que o deixou, como se sabe, “em fogo”. Marnie é uma ladra compulsiva, uma cleptomaníaca, em consequência de graves traumas na infância, que planeia roubar o patrão (Sean Connery), mas, descoberta, é por este submetida a uma psicanálise “acelerada”. Um dos maiores (e mais mal amados) filmes de Hitchcock.


Sábado [09] 20:00 | Sala M. Félix Ribeiro
Sexta-feira [29] 15:00 | Sala M. Félix Ribeiro

NEVER SAY NEVER AGAIN

Nunca Mais Digas Nunca
de Irvin Kershner
com Sean Connery, Klaus Maria Brandauer, Max Von Sydow, Barbara Carrera, Kim Basinger, Rowan Atkinson
Reino Unido, 1983 – 137 min / legendado eletronicamente em português | M/12

O título não podia ser mais apropriado. Após anos e dizer “nunca”, Sean Connery acabou por dizer “sim” a voltar a vestir a pele do agente 007, nesta nova versão “não canónica” de THUNDERBALL. Um começo irresistível (Bond numa clínica de “recuperação”!) num filme dentro do estilo primitivo. Atenção a uma “Bond Girl” (Kim Basinger) e à participação do futuro “Mr. Bean”, Rowan Atkinson. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 2009.


Segunda-feira [11] 20:00 | Sala M. Félix Ribeiro

THE HILL

A Colina Maldita
de Sidney Lumet
com Sean Connery, Harry Andrews, Ian Bannen, Alfred Lynch
Reino Unido, 1964 – 120 min / legendado eletronicamente em português | M/12

O inferno de um campo disciplinar militar britânico, na África do Norte nos finais da Segunda Guerra Mundial. Como Sísifos modernos, os condenados são obrigados a subir e descer uma colina artificial com as pedras que a formam, vigiados por um sargento sádico que provoca a morte de um deles e leva à revolta. Um dos melhores filmes de Sidney Lumet e o primeiro grande papel dramático de Connery. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 2009.


Quarta-feira [13] 17:30 | Sala M. Félix Ribeiro

THE UNTOUCHABLES

Os Intocáveis
de Brian De Palma
com Kevin Costner, Sean Connery, Charles Martin Smith, Robert De Niro
Estados Unidos, 1987- 119 min / legendado eletronicamente em português | M/16

Após uma prolífica carreira, Sean Connery conquistou finalmente um Oscar nesta adaptação de Brian De Palma da série televisiva do mesmo nome, que encena a luta tenaz do agente do FBI Elliott Ness e do seu grupo de “intocáveis” contra o império do crime de Al Capone. Connery tem uma truculenta composição na figura do polícia irlandês que faz parte do grupo de Ness, e De Niro é irresistível na sua criação como Capone. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 2006. A exibir em cópia digital.


Sábado [16] 15:00 | Salão Foz

INDIANA JONES AND THE LAST CRUSADE

Indiana Jones e a Grande Cruzada
de Steven Spielberg
com Harrison Ford, Sean Connery, Allison Doody, Denholm Elliott
Estados Unidos, 1989 – 127 min / legendado eletronicamente em português | M/12

Terceiro tomo das aventuras de Indiana Jones, e final da série “original” que marcou o cinema popular dos anos oitenta (houve um quarto, e mais discreto, episódio, já no século XXI: KINGDOM OF THE CRYSTAL SKULL), INDIANA JONES AND THE LAST CRUSADE é também o filme mais divertido depois de RAIDERS OF THE LOST ARK. Regressando ao espírito desse inicial filme (Indiana Jones contra os nazis) depois do estilo quase paródico de TEMPLE OF DOOM, Spielberg teve a boa ideia de oferecer a Indy, como “sidekick”, uma personagem paternal: é Sean Connery quem faz de pai de Indiana Jones, e o duelo – também um duelo de atores, Harrison Ford versus Connery – é francamente bem conseguido. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 1995.


Sábado [16] 20:00 | Sala M. Félix Ribeiro
Quarta-feira [27] 17:30 | Sala M. Félix Ribeiro

THE MAN WHO WOULD BE KING

O Homem Que Queria Ser Rei
de John Huston
com Sean Connery, Michael Caine, Christopher Plummer, Saeed Jaffrey, Shakira Caine
Estados Unidos, 1975 – 129 min / legendado eletronicamente em português | M/12

A adaptação do romance de Rudyard Kipling foi uma ideia durante longos anos acarinhada por Huston que na década de 50 pensou neste filme para Humphrey Bogart e Clark Gable. As personagens dos dois soldados britânicos que partem à conquista de um reino e da glória, no século XIX, seriam encarnadas por Sean Connery e Michael Caine. THE MAN WHO WOULD BE KING mantém o sopro épico dos grandes clássicos de aventuras. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 2009. A exibir em cópia digital.


Segunda-feira [18] 20:00 | Sala M. Félix Ribeiro

THE HUNT FOR RED OCTOBER

Caça ao Outubro Vermelho
de John McTiernan
com Sean Connery, Alec Baldwin, Scott Glenn, James Earl Jones
Estados Unidos, 1990 – 135 min / legendado eletronicamente em português | M/12

THE HUNT FOR RED OCTOBER foi um dos principais pilares da “segunda vaga” de popularidade de Sean Connery, no seguimento do Oscar ganho por THE UNTOUCHABLES, e que o fez entrar nos anos noventa com um estatuto de superstar que já não tinha desde a época dos 007 e que era raro para um ator sexagenário. Também é um dos seus melhores filmes do período, com o habilidosíssimo John McTiernan, sempre à vontade a filmar espaços concentrados como o de um submarino, a explorar os últimos cartuchos da Guerra Fria através da história (extraída a um romance de Tom Clancy) de um almirante soviético (Connery) que deserta para o Ocidente na posse de um sem número de segredos militares. A exibir em cópia digital. Primeira apresentação na Cinemateca. 


Segunda-feira [25] 17:30 | Sala M. Félix Ribeiro

MEDICINE MAN

Os Últimos Dias do Paraíso
de John McTiernan
com Sean Connery, Lorraine Bracco, José Wilker
Estados Unidos, 1992 – 106 min / legendado em português | M/12

Um notável filme de John McTiernan, por onde passa a influência do seu mestre, Howard Hawks. Como o autor de HATARI!, McTiernan interessa-se nesta história, principalmente, pelo confronto entre o par protagonista Sean Connery e Lorraine Bracco, ele um cientista mais interessado nas suas pesquisas do que nos avanços dela, enviada pela empresa para o vigiar, na que é uma autêntica “guerra de sexos” que tem a selva equatorial por cenário. O resto (a descoberta de uma presumível cura do cancro) é apenas o pretexto para o “duelo”. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 2009.


Sexta-feira [29] 20:00 | Sala M. Félix Ribeiro

THE WIND AND THE LION

O Leão e o Vento
de John Milius
com Sean Connery, Candice Bergen, Brian Keith
Estados Unidos, 1975 – 119 min / legendado eletronicamente em português | M/12

John Milius, o mais “militarista” dos cineastas americanos de setenta e oitenta, mergulha aqui no universo colonial do princípio do século XX, para retratar uma história que opõe Marrocos às grandes forças colonialistas da época. Inspirado nos velhos clássicos como GUNGA DIN tanto quanto em Kipling ou Conrad (não esquecer que Milius seria um dos argumentistas de APOCALYPSE NOW!), põe Sean Connery na pele de um líder berbere insurrecto. A exibir em cópia digital. Primeira apresentação na Cinemateca.


Sábado [30] 17:30 | Sala M. Félix Ribeiro

FAMILY BUSINESS

Negócio de Família
de Sidney Lumet
com Sean Connery, Dustin Hoffman, Matthew Broderick, Rosana De Soto
Estados Unidos, 1989 – 113 min / legendado em português | M/12

Três gerações encontram-se para um trabalho comum. O que não teria nada de relevante não se desse o caso de o trabalho ser um assalto e o avô da família ser Sean Connery, um velho ladrão retirado que recebe o apoio entusiasta do neto (Matthew Broderick) que por sua vez se confronta com a rotina de uma vida sem surpresas ao lado do pai (Dustin Hoffman), forçado a tornar-se cúmplice deles. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 2009.