Quando Hong Sang-soo (nascido em Seul em 1960) estreou a sua primeira obra em 1996, “O DIA EM QUE UM PORCO CAIU AO POÇO”, que os espectadores da Coreia do Sul começaram por estranhar e a Europa não tardou a descobrir com gosto a partir dos festivais de cinema, iniciou uma obra com impacto internacional que conta com 23 longas-metragens a esta data (uma por ano, mas não a essa cadência) e cujo conjunto constitui um muito singular trabalho do cinema contemporâneo. Esta retrospetiva integral no formato longo revisita-a, numa opção cronológica apenas rompida pelo filme de abertura, “CONTO DE CINEMA”, a sexta longa-metragem que, em 2005, coincidiu com o início do seu caminho na produção própria, assenta numa história de cinema de ecos pessoais de dois filmes em um, e em que experimenta pela primeira vez o zoom da forma peculiar que desde aí tem a sua assinatura. Nas palavras dele, pelos princípios da “ênfase, intimidade, trabalhar do ritmo no interior de um plano, sentido de alienação, economia de meios no tratamento de uma cena, etc.”

O zoom, que adotou quando era um procedimento em desuso, tornou-se uma imagem de marca, pontuando planos-sequência por norma longos, mas a experimentação de Hong Sang-soo é formal e narrativa. Desde o início e de uma maneira que importa um método de trabalho assente na cumplicidade de uma equipa aberta à sua liberdade de movimentos e decisões, na disponibilidade dos atores para se entregarem a rodagens sem rede em produções de baixo orçamento, contacto com as cenas a rodar em cima da hora: Hong Sang-soo dispensou cedo os guiões e desde “RECORDANDO A PORTA GIRATÓRIA” (2002) escreve as cenas e diálogos a rodar a cada dia de filmagens, integrando situações espontâneas (ações, gestos, diálogos ou a meteorologia), ensaiando com os atores pouco antes da filmagem, definindo as posições de câmara e os movimentos dentro do quadro in loco.

Essa experimentação verte-se em filmes que de modo geral lidam com o mesmo tipo de enredos, com o mesmo tipo de humor a temperar a tristeza e os enganos, uma simultânea crueza e delicadeza, variando repetidamente sobre os temas inteiramente humanos do relacionamento entre as pessoas, o amor, o desejo, a deceção, a perda, a frustração. Nos seus filmes, que não raro começam com a chegada de uma personagem algures e se movem em ambientes artísticos (à volta de professores, estudantes, pintores, escritores, muitos cineastas ou aspirantes a) a partir do quotidiano, boa parte da ação passa-se à mesa, com uma, duas, um grupo de personagens, em cafés e restaurantes de mesas fartas e muitos brindes, ou chávenas de café (GRASS, 2018), cujos exteriores são poisos para fumar cigarros, em momentos noturnos ou soalheiros, ao calor, à chuva ou à neve. Há cerveja e soju a rodos, a bebida tradicional coreana branca garante o torpor de muitas das personagens, mesmo quando se encontram “noutro país”, casos do parisiense NOITE E DIA (2008), do segmento alemão de “NA PRAIA À NOITE SOZINHA” ou do “filme de Cannes”, CLAIRE’S CAMERA (2017). A esta data, são a exceção à regra dos filmes realizados “no seu país”, mas toda a sua obra, tocando temas universais, tem alma coreana.

As variações de Hong Sang-soo consubstanciam-se de filme para filme, mas também no interior de cada filme. Além das recorrências, a obra é fértil em rimas (um exemplo: as praias de tantos filmes, o núcleo de “filmes de inverno”; outro tipo de exemplo: os reflexos digressivos de “A VIRGEM DESNUDADA PELOS SEUS PRETENDENTES” e SÍTIO CERTO, HISTÓRIA ERRADA, terceira e décima sétima longas) e numa propensão para andamentos binários (as duas partes desses e outros filmes; os dois filmes que compõem “CONTO DE CINEMA”; os dois capítulos da relação retratada em “RECORDANDO A PORTA GIRATÓRIA”; os dois países de NOITE E DIA; as duas incursões de COMO SE SOUBESSES TUDO, 2009; os dois relatos de visitas em (des)coincidência em HAHAHA, 2010) e até ternários (NOUTRO PAÍS, 2012). Alimentando-se da experiência pessoal do realizador e do que o crítico e programador argentino Quintín, autor da tirada “o mundo não é um avatar platónico, é um filme de Hong Sang-soo”, referiu inspiradamente como “uma espécie de imaginação matemática”, os filmes per se integram portanto a declinação, o desdobramento, a deriva na sua própria estrutura. Ainda Quintín, num texto de 2009 na Cinema Scope: “o segredo do seu cinema é permanecer verdadeiro ao falso: é por isso que as suas personagens perseguem a verdade como uma miragem que está sempre a mudar de lugar e de forma. Esse dispositivo formal é o que torna os seus filmes tão parecidos, mas de uma grande frescura e muito livres.”

“Os meus filmes não são feitos para contarem uma história mas para representarem fragmentos dela. Pego nesses ‘fragmentos’ e é deles que deriva toda uma estrutura centrada em situações quotidianas. Escolho a retórica adequada no interior dessa estrutura. E quando chego à rodagem começa um novo processo de descoberta.” São filmes abertos à alternativa, à infinidade dos mundos possíveis – outra expressão de Hong Sang-soo –, em que a materialidade e a “abstração” convivem num plano só dele, importando os tempos simultâneos da “realidade”, concreta, fantasiada ou sonhada, da memória, e uma atenção impressionista ao mundo e a pormenores variantes. “Tudo é ilusão, realisticamente falando. Tudo o que vemos, sentimos, imaginamos é real e simultaneamente falso. É uma ilusão, a distinção não é importante”, palavras de Hong numa entrevista de 2017. Para Hong Sang-soo, a perceção da distância da vida e dos ideais de vida, que afirma numa entrevista dez anos anterior ter tido por volta dos 20 anos de idade, é cinematograficamente fundadora: “Algumas personagens perseguem o ideal de lugares comuns ou são perseguidas por eles, mas quero que o meu olhar sobre as minhas personagens esteja liberto desses lugares comuns. Para elas, o conflito entre os ideais e a vida é muito doloroso. Mas toda essa dor é desnecessária. A essência do problema são os ideais, não a vida.”

Entre as suas grandes influências Hong Sang-soo cita acima de todas Cézanne, ou ainda escritores como Hemingway, Tchékhov e Dostoiévski. Dos gostos cinéfilos, refere normalmente Murnau, Dreyer, Ozu, Renoir, Buñuel, Rohmer (com cujo cinema, em França, tanto o comparam via “contos morais”), havendo que indicar também Eustache (pela linhagem da experiência pessoal) e Resnais (pelo trabalho da memória). Mas sobretudo Bresson. Aos 27 anos, uma projeção em Chicago, onde então estudava, de DIÁRIO DE UM PÁROCO DE ALDEIA de Robert Bresson, cujas Notas sobre o Cinematógrafo leu em seguida, foi uma revelação para o entendimento do cinema que queria e tem vindo a fazer. Descobriu a omnipresença da “graça” no sentido bressoniano do termo, e porventura a premissa “sans rien changer que tout soit différent”, que Godard declinou nas HISTÓRIA(S) DO CINEMA, “ne change rien pour que tout soit différent”. Não mudes nada para que tudo seja diferente.

As notas que se seguem prosseguem, filme a filme, a apresentação da obra de Hong Sang-soo. Esta retrospetiva acontece num momento de acalmia de Hong, cujo último filme, HOTEL BY THE RIVER, data de 2018.Mais informações sobre a biografia do realizador e a retrospetiva que decorre em dezembro de 2019 e janeiro de 2020 na brochura digital disponível em www.cinemateca.pt.

 


Terça-feira [3] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro
Terça-feira [17] 18:30 | Sala Luís de Pina

GEUK JANG JEON

“Conto de Cinema”
de Hong Sang-soo
com Kim Sang-kyung, Uhm Ji-won, Lee Ki-woo, Lee Kyung-jin, Kim Myoeng-su
República da Coreia, 2005 / 89 min – legendado em inglês e eletronicamente em português | M/14

Obra charneira no trabalho de representação da experiência humana via o quotidiano, e de experimentação visual e narrativa de Hong Sang-soo, que convoca explicitamente o mundo do cinema em que muitos dos seus filmes posteriores se movem. É o filme em que usa pela primeira vez o zoom, a partir de então um elemento identificativo do seu cinema como procedimento disruptivo ou de reenquadramento brusco, jogando com a escala no interior do plano. É o último em que filma a sexualidade e a nudez, que a partir de então existem preferencialmente fora de campo nos seus filmes. Este “conto de cinema” de Seul (na versão internacional, TALE OF CINEMA) é composto em duas partes numa estrutura autorreflexiva – a projeção de um filme é o motor narrativo para o andamento seguinte, que acompanha um espectador convencido de que o argumento lhe foi “roubado” pelo realizador seu amigo, e a atriz do filme por cuja imagem fica obcecado. O “filme no filme” é uma suicidária história de amor juvenil. Primeira exibição na Cinemateca, em cópia digital.


Quarta-feira [4] 19:00 | Sala M. Félix Ribeiro
Sexta-feira [6] 18:30 | Sala Luís de Pina

DAIJOGA UMULE PAGINNAL

“O Dia em que um Porco Caiu ao Poço”
de Hong Sang-soo
com Bang Eun-hee, Cho Eun-sook, Kim Eui-sook, Lee Eung-Kyung
República da Coreia, 1996 – 115 min / legendado eletronicamente em português | M/16

Quatro personagens em deambulações e tangentes filmadas com a elaboração, rigor e experimentação do olhar de Hong Sang-soo a partir da intuição de que o mundo se faz mais de coincidências que de inevitabilidades. O título (na versão internacional THE DAY A PIG FELL INTO THE WELL) vem de um conto do escritor americano John Cheever (publicado em 1954 na The New Yorker) cujo enredo, distinto, se relaciona com a dimensão fungível da memória e a identificação, em diferido, dos momentos cruciais da vida de cada um. No filme, que põe em relevo a imaturidade emocional e o enclausuramento, o trabalho de mise-en-scène assenta no plano-sequência e na coreografia dos movimentos das personagens. Apresentado pela primeira vez na Cinemateca em 1999 como o aclamadíssimo filme de estreia de Hong Sang-soo e um caso exemplar do renascimento do cinema coreano. Em cópia digital.


Quarta-feira [4] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro
Segunda-feira [9] 18:30 | Sala Luís de Pina

KANGWON-DO UI HIM

“O Poder da Província de Kangwon”
de Hong Sang-soo
com Baek Jong-hak, Chun Jaehyun, Kim Yoosuk, Oh Yun-hong, Park Hyunyoung
República da Coreia, 1998 / 110 min / legendado em inglês e eletronicamente em português | M/16

A história de dois grupos de viajantes que se deslocam à província montanhosa e costeira de Kangwon (de fronteira entre as duas Coreias), numa peregrinação mais interior que geográfica. Os protagonistas de THE POWER OF KANGWON PROVINCE (título internacional do filme) são um homem e uma mulher cuja separação recente leva a uns dias de pausa na região turística que Hong Sang-soo filma como um espaço de desolação à medida do estado interior das personagens, que procuram o mesmo destino de “evasão” sem o saberem e sem se cruzarem pessoalmente. A experiência do par desfeito é peculiarmente construída em dois andamentos individuais, num paralelismo que revela desfasamentos, e numa montagem seca, despojada de sentimentalismo. Uma obra poderosa, apresentada pela primeira vez na Cinemateca em 2006 como um título de culto do novo cinema coreano.


Quinta-feira [5] 19:00 | Sala M. Félix Ribeiro
Terça-feira [10] 18:30 | Sala Luís de Pina

OH! SOO-JUNG

“A Virgem Desnudada pelos seus Pretendentes”
de Hong Sang-soo
com  Lee Eun-ju, Mun Seong-kun, Cho Won-hee, Han Myeong-gu, Ho-Bong Jeong
República da Coreia, 2000 / 126 min / legendado em inglês eletronicamente em português | M/16

É o primeiro Hong Sang-soo a preto e branco, cromatismo a que os seus filmes só regressaram em 2011 (“O DIA EM QUE ELE CHEGA”) e em 2017/18, numa fiada de três. O título internacional – VIRGIN STRIPPED BARE BY HER BACHELORS – lembra o da obra de Marcel Duchamp, A Noiva Desnudada pelos seus Celibatários, Mesmo, referência a que Hong Sang-soo diz preferir a mera ressonância da frase. Seguindo a história triangular de uma mulher e dois homens, seus pretendentes, o filme é construído em duas partes numeradas em capítulos que podem ser versões distintas, consecutivas, ou um reflexo digressivo da memória (“Dias de espera” e “Porventura Intenção”). Prosseguindo um trabalho sobre elementos recorrentes, Hong filma repetições e episódios semelhantes, ou paralelos, adotando pontos de vista distintos na narrativa e na mise-en-scène. Primeira exibição na Cinemateca, em cópia digital.


Sexta-feira [6] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro
Quinta-feira [12] 18:30 | Sala Luís de Pina

SAENGHWALUI BALGYEON

“Recordando a Porta Giratória”
de Hong Sang-soo
com Choo Sang-mi, Ye Ji-won, Ahn Kil-kang, George Georgiou, Kim Choo-wol
República da Coreia, 2002 – 115 min / legendado eletronicamente em português | M/16

Em sete capítulos numerados, de duração irregular e alinhamento cortado, mas na rota da linearidade narrativa, ON THE OCCASION OF REMEMBERING THE TURNING GATE – título internacional pelo qual é comumente conhecido o filme que em coreano se intitulará “Descobertas da Vida” – é o primeiro filme em que Hong Sang-soo se concentra preferencialmente num protagonista masculino: um ator de teatro desgostado com uma experiência no cinema segue de Seul para a região de Kangwon onde visita um templo budista chamado “porta giratória”, cuja lenda reza ter sido outrora sítio em que uma princesa se desembaraçou de um amante plebeu reincarnado em serpente, deixando-o à mercê de uma tempestade. A imagem da frustração adequa-se ao protagonista, que em encontros sucessivos com duas mulheres expõe uma narcísica incompetência emocional cuja perspetiva humana alia o patético e o cómico. A representação de cenas sexuais que participa dos filmes de Hong Sang-soo até “CONTO DE CINEMA” (2005) é particularmente explícita, favorecendo o retrato angustiado e inepto da personagem principal. Foi o primeiro filme em que as cenas foram escritas e entregues à equipa e atores a cada dia de rodagem, um método prosseguido por Hong Sang-soo desde então. Primeira exibição na Cinemateca.


Segunda-feira [9] 19:00 | Sala M. Félix Ribeiro
Segunda-feira [16] 18:30 | Sala Luís de Pina

YEOJANEUN NAMJAUI MIRAEDA

“A Mulher É o Futuro do Homem”
de Hong Sang-soo
com Yu Ji-tae, Kim Tae-woo, Kim Ho-jung, Bae Yun-beom, Eom Su-Jeong
República da Coreia, 2004 / 88 min / legendado em inglês e eletronicamente em português | M/14

A história põe em cena dois amigos de longa data, um realizador recém-chegado sem proveito dos EUA e um professor de arte, que no passado, em momentos consecutivos, tiveram um relacionamento com a mesma mulher, pintora, que decidem visitar em conjunto depois de um reencontro regado com o teor alcoólico do soju e aberto a flashbacks elucidativos. O movimento entre o passado e o presente corresponde ao momento vivido pelo trio, cujos desgostos e modos de encarar a vida vão sendo expostos sem picos melodramáticos. É um filme em que Hong Sang-soo leva longe o recurso ao plano-sequência, e favorece os movimentos horizontais no interior dos planos, invernais e nevados. O título – na versão internacional, Woman Is the Future of Man, vem de um poema de Louis Aragon, cujo “sentimento de estranheza e confusão” agradou ao realizador. “Há dois processos nos meus filmes: um processo de negação que não se transforma num sistema, e a expressão do conflito entre estar emocionalmente abalado e a busca impossível da verdade.” Primeira exibição na Cinemateca, em cópia digital.


Terça-feira [10] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro
Quinta-feira [19] 18:30 | Sala Luís de Pina

HAWBYEONUI YEOIN

“Mulher na Praia”
de Hong Sang-soo
com Kim Seung-woo, Go Hyun-Jung, Song Seon-mi, Kim Tae-woo
República da Coreia, 2006 / 127 min / legendado em inglês e eletronicamente em português | M/12

Um argumentista, um realizador e uma aspirante a cantora viajam juntos de Seul até à estância balnear de Shinduri para uns dias de trabalho no argumento de um filme “Sobre Milagres” quotidianos nesse momento encalhado. É o arranque do enredo em que a personagem do realizador confronta bloqueios emocionais e eróticos, além de resolver o impasse criativo. Em dois regressos a Shinduri e Seul, reencontram-se os elementos repetitivos, variantes, em eco, característicos do cinema de Hong Sang-soo, com acento tónico na identidade coreana e, em particular, na psicologia masculina coreana. O uso do zoom, experimentado no filme anterior, ganha consistência. A paisagem central (lembrando “O PODER DA PROVÍNCIA DE KANGWON”) é invernal e deserta, nublada (como no posterior “NA PRAIA À NOITE SOZINHA”). O título internacional (WOMAN ON THE BEACH), que quase mima o de um filme americano de Jean Renoir (THE WOMAN ON THE BEACH, 1947), foi atribuído por Hong Sang-soo a uma canção popular coreana. Primeira exibição na Cinemateca.


Quarta-feira [11] 19:00 | Sala M. Félix Ribeiro

BAM GUA NAT

Noite e Dia
de Hong Sang-soo
com Kim Yeong-Ho, Park Eun-Hye, Hwang Su-jeong
República da Coreia, 2008 – 145 min / legendado em português | M/12

Na sua primeira obra filmada em vídeo de alta definição, Hong Sang-soo troca a Coreia por Paris, cidade onde o protagonista, um pintor, se refugia depois de ter sido apanhado a fumar marijuana e temer a perseguição da polícia. Mas se é Paris o cenário central (também há uma incursão a Deauville e o regresso à Coreia), tudo se passa entre coreanos, num ambiente “100% Hong Sang-soo”, construído a partir da volatilidade emocional das personagens, das suas ânsias amorosas, das suas idiossincrasias e, obviamente, das suas fraquezas. Toda a graça característica do realizador coreano num filme “binário” que vai buscar o seu título (na versão internacional, NIGHT AND DAY) aos horários trocados do casal formado pelo protagonista, em França, e a mulher dele, na Coreia. Foi o primeiro filme de Hong Sang-soo a estrear em Portugal. Apresentado pela primeira vez na Cinemateca em 2019, num Ciclo construído à volta de “35 Histórias do Cinema Contemporâneo”. Em cópia digital.


Quinta-feira [12] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro
Sexta-feira [20] 18:30 | Sala Luís de Pina

JAL AL-JI-DO MOT-HA-MYEIN-SEO

“Como se Soubesses Tudo”
de Hong Sang-soo
com Kim Tae-woo, Uhm Ji-won, Go Hyung-Jung, Kong Hyeong-jin
República da Coreia, 2009 – 126 min / legendado em inglês e eletronicamente em português | M/12

À nona longa-metragem, Hong Sang-soo mantém o eixo da composição binária, mas também uma arquitetura de recorrências, o protagonismo de uma personagem masculina de profissão artística (de novo um cineasta) e o arranque narrativo em coincidência com a chegada de uma personagem algures. Desta feita, um realizador faz-se viajante em duas incursões muito semelhantes: na viagem a Jecheon, é jurado de um festival local de cinema; na ida a Jeju é conferencista convidado numa universidade; em ambas as ocasiões, encontra e reencontra novos e velhos amigos, participa em noitadas, confronta o presente quotidiano com as intromissões da memória ou da fantasia. O cómico de algumas cenas convive com a complexidade subterrânea do mundo visível e invisível das personagens. LIKE YOU KNOW IT ALL, reza o título internacional. Apresentado pela primeira vez na Cinemateca em 2011. Em cópia digital.


Sábado [14] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro
Sexta-feira [27] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro

HAHAHA

de Hong Sang-soo
com Kim Sang-kyung, Kim Kang-woo, Moon So-ri, Kim Gyu-ri
República da Coreia, 2010 – 115 min / legendado em inglês e eletronicamente em português | M/12

Dois amigos, um realizador e um crítico de cinema, relatam as suas aventuras amorosas no bar em que, num encontro de despedida, evocam visitas separadas à mesma pequena cidade balnear que envolvem três personagens, eles próprios e um amigo comum. Sem que o percebam, as histórias justapõem-se, o que serve de fundo temático à experimentação narrativa que, convocando o espaço da memória (a cores, contrastando com o momento do presente, a preto e branco), esgrime a questão fundamental da perspetiva e é marcada por flashbacks que desdobram pontos de vista. É o abismo a que se lança HAHAHA (numa tradução literal do coreano, “Verãoverãoverão”), à superfície uma ligeira comédia de verão. Algumas das características do conto destes “três homens”, como a utilização da voz off, levaram a que se aproximasse o filme ao clássico de Mankiewicz A LETTER TO THREE WIVES (1949). É um regresso formal de Hong Sang-soo à sua segunda longa-metragem, “O PODER DA PROVÍNCIA DE KANGWON”. Apresentado pela primeira vez na Cinemateca em 2011.


Segunda-feira [16] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro
Sábado [28] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro

OK-HIU-UI YEONGHWA

“O filme de Oki”
de Hong Sang-soo
com Lee Sun-kyun, Jung Yu-mi, Mun Seong-kun
República da Coreia, 2010 – 80 min / legendado em inglês e eletronicamente em português | M/12

Composto em quatro capítulos que correspondem a segmentos passados em diferentes momentos temporais e cronologicamente desalinhados, o décimo primeiro filme de Hong Sang-soo leva mais longe a complexidade da estrutura narrativa na segmentação e na multiplicidade das perspetivas. “A forma levar-te-á à verdade. Contá-la tal como se apresenta não te permitirá atingi-la”, ouve-se no filme como argumento pedagógico. Cumprindo papeis que implicam diferenças e justaposições, as três personagens principais mantêm-se, formando um triângulo amoroso: um realizador veterano agora professor, um realizador mais novo e uma atraente estudante de cinema. No final do primeiro capítulo, um debate que se segue a uma projeção dá para o torto numa sequência particularmente divertida. No último capítulo, que dá o título ao filme – OKI’S MOVIE, na versão internacional –, a rapariga, Oki, monta ela própria o filme em que retrata as relações que manteve com os dois homens, com quem visitou a mesma montanha em Invernos consecutivos. Primeira exibição na Cinemateca, em cópia digital.


Terça-feira [17] 19:00 | Sala M. Félix Ribeiro
Segunda-feira [30] 21:30 | Sala M. Félix Ribeiro

BOOK CHON BANG HYANG

“O Dia em que ele Chega”
de Hong Sang-soo
com Yoo Joon-Sang, Kim Sang-Jung, Kim Bo-kyeong
República da Coreia, 2011 – 79 min / legendado em inglês e eletronicamente em português | M/12

Num preto e branco invernal, o filme segue um realizador de cinema “em sabática” ao cabo de quatro filmes, que vive no campo, no momento em que vem a Seul visitar um amigo, crítico de cinema, residente na zona de Bukchon, conhecida pela arquitetura tradicional das suas casas. É nela que o realizador vagueia, elege um restaurante e um bar, se cruza repetidamente com um grupo de pessoas, encontra o amigo. No bar chamado “Novela” em que conversam e bebem, a dona é estranhamente parecida com a ex-namorada do “ex”-realizador (personagens interpretadas pela mesma atriz). A repetição de situações e cenários com pequenas variantes aponta para o comportamento padronizado do protagonista, incapaz de se libertar do passado e privilegiar o presente. Complexa e ambígua, a construção de THE DAY HE ARRIVES (versão internacional do título) deixa em aberto a hipótese de se tratar de uma sucessão de acontecimentos repetitivos ou alternativos. Primeira exibição na Cinemateca.


Títulos a apresentar em janeiro 2020

Da-reun na-ra-e-seo / In Another Country / Noutro País, 2012
Nugu-ui ttal-do anin Hae-won / Nobody’s Daughter Haewon / “Haewon Filha de Ninguém”, 2013
U ri Sunhi / Our Sunhi / “ A Nossa Sunhi”, 2013
Ja-yu-eui eon-deok / Hill of Freedom / “A Colina da Liberdade”, 2014
Ji-Geum-Eun-Mat-Go-Geu-Ddae-Neyn-Teul-Li-Da / Right Now, Wrong Then / Sítio Certo, História Errada, 2015
Dangsinjasingwa dangsinui geo / Yourself and Yours / “Tu e os Teus”, 2016
Bamui haebyun-eoseo honja / On the Beach at Night Alone / “Na Praia à Noite Sozinha”, 2017
La Caméra de Claire / Claire’s Camera, 2017
Geu-hu / The Day After / O Dia Seguinte, 2017
Grass, 2018
Gangbyeon Hotel / Hotel by the River, 2018